Adrián Montenegro – 7 de 7

Adrián Montenegro – 7 de 7

Convite_7de7_ Adrián Montenegro

Galeria Sete completa 18 anos e apresenta “7 de 7”, exposição individual artista Adrián Montenegro, que terá início no dia 7 de outubro, sábado, das 17h às 20h, prolongando-se até 27 de outubro de 2023.

Na exposição “7 de 7”, o artista colombiano Adrián Montenegro apresenta 7 séries de obras de 7 obras cada. 7 como as temáticas que lhe confirmam este número num jogo entre a possibilidade de ter sido a escolha do número que determinou os temas, ou se terão sido os temas a determinar a escolha do número. Um número que tem esta condição de ser número e algarismo.

E cada obra é também simultaneamente número e algarismo. Cada peça tem a sua identidade plástica e poética, mas é também parte de um conjunto que o seu assunto será, se reduzirmos o seu assunto à sua designação: 7 notas musicais, 7 maravilhas do mundo, 7 cores do arco-íris, 7 mares, 7 dias da semana, os 7 anjos do ocidente e 7 pecados mortais, a única série que aparenta quase prescindir da imagem, resultando da ressonância das próprias ideias e do acto de nomear cada peça na sua moldura.

Recorrente no seu trabalho, aqui também a miniatura joga com o paradoxo da esperada expansão poética da obra de arte e da sua relevância, e a ideia de relevância está associada à dimensão e ao valor, literalmente ou não.

Estas peças apresentam-se, assim, mínimas, mas por isso portáteis, expandindo assim as possibilidades do seu campo de ação.

Desde logo, o número 7 é encarado como número da sorte.

Será sobretudo essa condição, provavelmente, o que primeiro nos ocorre se procurarmos a dimensão simbólica do 7, que terá levado Adrián Montenegro a fazer uma peça suplementar à exposição.

Uma peça que vai ser rifada, que virá a pertencer a quem tiver a sorte de ter o número que, tirado à sorte, será o premiado.

Uma pequena escultura, um pequeno monstro, como as coisas grandes que, em diferentes níveis, o artista mostra pequenas, mas afinal sem escala como são as imagens na sua recepção.

E, assim, esta peça pertence ao jogo conceptual da exposição e ao mesmo tempo se autonomiza ao assumir esta dimensão performática.

Um pequeno monstro de sete cabeças.

Um bicho-de-sete-cabeças não será propriamente, nesta forma subtil como Adrián Montenegro faz arte e a dá a ver, em jogos conceptuais sofisticados que aparecem, assim, como se tivessem sido conseguidos sem esforço, effortless, como habitualmente são as coisas mais bonitas.

 

António Olaio, Coimbra, Outubro de 2023

Compartilhar esta publicação

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

9 − 3 =


× Em que podemos ajudar?